Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

FESTA NUMA MONTANHA DA SERRA DE SOAJO!

DSCN8419.JPG

 No «Monumento à Serra de Soajo» ficou esculpida a delineação do espaço físico da serra que o primeiro mapa de Portugal conhecido honrou por ser um dos mais destacados do país! Os ataques e a má vontade de quase todos os elencos do poder municipal, com sede na vila de Arcos de Valdevez, levaram o VERDADEIRO e histórico nome da serra para as maiores e mais desonestas CONFUSÕES na toponímia nacional!DSCN8453.JPG

Tirada em 2002 aquando da colocação nos antigos Paços do Concelho em homenagem aos resistentes pela continuação do concelho de Soajo, em que pontificaram o Presidente da Câmara, António Gonçalves Campos, o Juiz do Julgado de 1ª instância, João Gonçalves do Outeiro, e o Administrador do Concelho, António Gonçalves Lage.

DSCN8365.JPG

 Além da Casa da Câmara, o pelourinho, constitui-se como uma MARCA que carrega história, identidade e simbolismo do notável concelho do norte de Portugal que se distinguiu entre muitas centenas, em termos da natureza, pecuária ( pela vaca cachena), flora (pelas matas reais), fauna (pela abundância de lobos, javalis, linces, e ursos), criação dos famosos sabujos, e religiosidade (pelo culto a Nossa Senhora das Neves na Peneda e a S.Bento em Ermelo)...

 

DSCN6685.JPG

 Vista muito reduzida da enigmática pedraria, na Pedrada, situdo na maior montanha da Serra de Soajo, que é o Outeiro Maior!

DSCN6663.JPG

 As matas florestais que arderam nos incêndios da década de 2010 ainda são visíveis numa foto tirada alguns  anos antes.

DSCN6680.JPG

 O cortelho feito com aproveitamento das pedras estendidas ao longo da pedraria, na Pedrada, foi construído como que para sinalizar e obstaculizar a que houvesse ingerência dos guardas florestais nos domínios territoriais mais elevados da freguesia de Soajo. Foi contruído por Soajeiros, nos primeiros anos da florestação por iniciativa do Estado Novo, a mando e expensas do industrial da vila de Soajo, Manuel Joaquim Sequeira Enes, conheccido pelo "Ti Russo". Esta informação também me foi prestada pelo meu primo António Lage, o "Ti Morgado" de Bouças Donas, que reconheceu ter sido feito em território da freguesia de Soajo com estes intuitos. Tem sido o informador dos limites da freguesia de Cabana Maior, mas revelou-me nunca ter visto os marcos do Mezio porque nas vindas e idas de Bouças Donas, de e para a sede de Soajo, nunca passar no caminho Boimo /Soajo.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

  A SEGUIR O TEMA EM TÍTULO:

 

 NOMES OFICIAIS RESPEITEM-SE! – A «Serra de Soajo» é um nome legal, oficial, porque consta na Carta Administrativa de Portugal e no Atlas de Portugal Oficial. Este foi editado em 2005 por iniciativa do Primeiro-Ministro de então, Engenheiro António Guterres. Foi encarregado da sua feitura o Instituto Geográfico Português, autoridade nacional da cartografia, segundo a lei vigente. Foi escolhida como coordenadora para elaboração do Atlas Oficial a professora catedrática Raquel Sousa de Brito. Esta académica conhece bem o Soajo, porque aqui esteve hospedada em 1946, recolhendo elementos para a sua tese sobre Soajo, a fim de obter a licenciatura em Geografia na Universidade de Lisboa. A serra que calcorreou foi circunscrita à área do Lima ao Minho, a nascente do rio Vez. Parece que tem na sua tese que a serra atinge cerca de 900 quilómetros quadrados de superfície! Pela lei em vigor o Instituto Geográfico é um organismo oficial da Administração Central do Estado Português que está integrado no Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, e a «Carta Administrativa» que elaborou tem força legal. Ora consultando esta carta todo o território onde foram implantadas as estruturas da chamada “Porta do Mezio” ficam dentro da área administrativa da freguesia de Soajo. Mas apesar disto a Câmara Municipal no seu portal oficial exposto na Internet declara que a «Porta do Mezio» está situada na freguesia de Cabana Maior! Isto é muito grave! Isto é uma ilegalidade! Isto é uma afronta a Soajo e aos Soajeiros que amam a sua terra! Contactado o Senhor Presidente de Junta de Soajo diz que isso foi escrito por um ignorante! Mas quem é o ignorante da Câmara Municipal, pergunto eu aqui ao autarca, responsável pela gestão e defesa dos interesses de Soajo?

MANIPULAM A INFORMAÇÃO A FAVOR DA VILA DE ARCOS - Como se viu também a emissão em directo do Mezio, pela TVI, no dia 4, em legenda referia “Festa da Montanha – Arcos de Valdevez” ou “Porta do Mezio – Arcos de Valdevez”! Sabendo eu que no país há freguesias com o nome Mezio, julgo que o povo português em geral as desconhece, assim como desconhece a montanha onde está a recém-nascida “Porta do Mezio”, apesar de estar a cerca de 700 metros de altitude e ser superior à máxima de algumas conhecidas serras de Portugal. Assim sendo, compreende-se em parte o esforço da publicidade, pela má escolha do nome “Porta do Mezio”, para a tornar conhecida! Se está a “porta” construída no espaço geográfico e administrativo de Soajo, sempre o nome de Soajo, por dar nome a uma das maiores e principais serras de Portugal, muito ajudaria a conhecer o local. Com certeza mais do que uma menor montanha dela. Quiseram e querem remar contra o conhecimento científico legal do nome da serra. Manipulam a TVI e outros órgãos para não usarem o nome “Montanha de Soajo”, sinónimo de «SERRA DE SOAJO», usando uma linguagem afrancesada! Usaram o nome Arcos de Valdevez no terreno da ambiguidade, mas nós sabemos que o não referiram como sendo um dos “350” municípios de Portugal. Manhosamente quiseram mais fazer publicidade à vila de Arcos de Valdevez. Julgam que os restaurantes, os cafés, as casas de Soajo, e tudo o demais, não precisam de sobreviver… Usam território de uma autarquia de Portugal - Soajo -, mas fizeram neste evento quase exclusivamente publicidade à vila dos Arcos! Pensam que em Soajo só há “otários”, mas enganam-se, pois os Soajeiros são tão inteligentes como os Senhores “Camaristas”! Bem sentiram a afronta ao usarem património de Soajo para promover, quase exclusivamente, a vila dos Arcos. Com um bocadinho de seriedade, de bom senso, e boa gestão, teriam dado o nome à “porta” com o nome da freguesia onde a instalaram, como fizeram com as outras “portas”, nos outros quatro municípios com território no Parque Nacional! Soajo e Arcos de Valdevez são nomes que em associação mais se fortalecem, complementam, potenciam, para efeitos de publicidade e outros fins. Com procedimentos discriminatórios mais se aprofundam os desequilíbrios, as assimetrias, as desigualdades, as desproporções, no concelho. No plano socioeconómico desfavorecem as mais pobres usando os recursos destas em benefício da mais rica! Infelizmente, continuam a persistir nos mesmos erros e mentiras a que nos habituou, nas últimas décadas, neste concelho, um autarca alfacinha “chiquíssimo”! Em democracia jogam-se desafios, como no futebol, pelo que as populações das freguesias têm de interessar-se mais e disputar os jogos com vontade de vencer. Se não o fizerem são derrotadas com facilidade pelos autarcas manhosos através de estratégias e tácticas perspicazes!

 OS LIMITES NO MEZIO - Em documentos oficiais com a rubrica do célebre juiz de Soajo, Manuel Sarramalho, foram validados actos notariais, em 1822, de pessoas de C. Maior, onde consta o Mezio no «distrito do concelho da vila de Soajo»; em 1758 escreveram que a parte da “serra” que é exclusiva da paróquia de Soajo, começava, na parte poente, no Mezio! Mas autarcas “geniais”, dos últimos vinte e cinco anos, à frente de Cabana Maior, nem sequer, em Julho de 2016, sabiam interpretar o tombo da sua freguesia! Não queriam sequer reconhecer os marcos no interior da larga e extensa «Portela do Mezio” e, andavam com a popularucha treta da divisão com Soajo pelo sítio da que foi Casa Florestal, em direcção a uma branda de gado que ainda não existia em 1865! Queriam, ridiculamente, que a área administrativa de Soajo, viesse para as rampas, para as ladeiras, para as encostas, onde as águas, de uma fracção, da parte nascente do Mezio, começam a escorrer para Vilar de Suente, ou na zona da Anta (à beira da estrada nacional), onde começam a decair na estrada para o lado da vila de Soajo! Não sabiam o significado de «águas vertentes»! Nem sabiam, o que é grave, que no Tombo de C. Maior a fronteira na Portela do Mezio não é feita pelo critério das «águas vertentes», por ser área relativamente plana!

            O MAIOR NÚMERO DE MONTANHAS! - Convém dizer que a «Serra de Soajo», considerada na sua amplitude multissecular, é a que tem, sozinha, das serras de Portugal, o maior número de montanhas com altitudes superiores a 1200 m! Tem 14 (catorze)! O Marão tem só 6 (seis), Montemuro 3 (três), Amarela 4 (quatro), Cabreira e Barroso, juntas, 9 (nove), o Gerês em conjunto com o Larouco, 15 (quinze), Montezinho mais Nogueira 5 (cinco)! A Serra da Estrela apenas 11 (onze), embora nestas 11, tenha 2 (duas) montanhas que superam os 1400 metros de altitude máxima! Então a de Soajo não sobressai?! É um nome sonante para despromover, malbaratar e desprezar, Senhores Autarcas Arcuenses? Não o usaram, circunscreveram-se à “PORTA” e a uma MONTANHA desconhecida da Serra de Soajo?! Repudiam um sublime nome do Município! A grande construção natural erguida, sem o concurso de homens, por ter o nome Soajo, não é respeitada e usada! Porquê?!

             O NOME, SERRA DE SOAJO, O MAIS CITADO! - Um nome grande, entre os geógrafos notáveis da Geografia de Portugal, é o da esposa de Orlando Ribeiro, Professora Doutora Suzanne Daveau. Esta investigadora colaborou em 2002, numa 3ª edição da «Descrição do Reino de Portugal» da autoria do Juiz Desembargador, Duarte Nunes de Leão, cuja 1ª edição foi publicada em 1610. Suzanne Daveau apresentou um estudo introdutório sob o título “O conteúdo geográfico da Descrição do Reino de Portugal”. Neste aborda os nomes das serras de Portugal que foram mencionadas por vários outros autores desde quinhentos até 1662, ano da publicação da 1ª edição do «Mapa de Portugal» elaborado pelo cartógrafo Pedro Teixeira Albernaz, onde constam 12 serras de Portugal! Observando-se, o «Quadro I», onde S. Daveau, recolheu os nomes de «As serras de Portugal segundo vários autores», o nome «SOAJO» foi, de entre as seis maiores serras de Portugal, o mais citado! Foi «Soajo» exposto por 6 (seis) autores, só Bernardo de Brito, em 1587, o não referiu! O Gerês foi referido só 4 (quatro) vezes, falhando em três autores! O Marão foi nome usado apenas por 3 (três) autores, e falhou, portanto, quatro! A Estrela, a serra de maior altitude em Portugal Continental, foi nome usado 3 (três) vezes, porque foi identificada, também com o nome «Hermínio maior 3 (três) vezes, falhou apenas uma vez, em 1560, no primeiro mapa de Portugal que se conhece, do cartógrafo Fernando A. Seco! Larouco não consta como nome de serra! Porém devido aos disparates de 1875 de G. Pery, e de P. Choffat em 1907, também Suzanne Daveau, copiou erros e /ou mentiras e o nome que disse ter a serra na actualidade de [2002] é, exclusivamente, o copiado e ensinado pelo seu marido, fruto do que aprendeu com as asneiradas do seu mestre, Silva Teles, sendo depois acolhido por gravíssima aldrabice no nome ao Parque Nacional!

                                          Serra de Soajo, “do lado norte do Lima”, em Junho de 2017

                                                                                       Jorge Ferraz Lage