Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

«ACERCA DO POVOAMENTO NA SERRA DE SOAJO», E O PÁROCO DA GAVIEIRA E CASTRO!

 

 

 

 Este seria o verdadeiro título [o referido entre aspas], em vez de um outro usado, com o nome da serra aldrabado, num trabalho de Isabel Medeiros, na altura ligada ao Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa. Foi este trabalho também publicado num boletim do «G.E.P.A.». Mostra bem esta geógrafa que no aspecto do nome da serra nada investigou. Seguiu a incorrecta corrente do suíço que o seu professor, Orlando Ribeiro, aluno de Silva Teles, continuou na Universidade de Lisboa, ao afirmar que a «Serra de Soajo» se situava a sul do Lima, e a norte deste rio, usou outro nome [Peneda] para substituir o de Serra de Soajo! Aliás, em contacto telefónico estabelecido teve a gentileza e a franqueza de me informar que em termos de toponímia nada investigou. O que escreveu nesta publicação é aqui citado parcialmente: «a Serra da Peneda constitui vigoroso soco granítico com cimos aplanados e uma área aproximada de 35 000 ha, no âmbito administrativo dos concelhos de Arcos de Valdevez, Melgaço e parte do de Monção». A propósito do nome da serra, em pé de página, procurou Isabel Medeiros esclarecer que na «Serra da Peneda» se incluem a «serra de Soajo e os Montes de Laboreiro» conforme escreveu o Padre M. A. Bernardo Pintor, em 1977, em «Recontro de Val-de-Vez. Onde foi?». Porém, não foi exactamente isto, o que escreveu o Reverendo Pintor, pelo que Isabel Medeiros não só errou como deturpou! O que disse este probo investigador foi que em «recuados tempos» quase toda a serra foi designada por «Montes de Laboreiro», mas que não conseguia explicar foi como passou o nome da serra para Peneda. Ainda, Pintor escreveu que, no presente, o nome da serra «não é uniforme porque uns chamam-lhe Peneda outros Soajo, havendo quem distinga as duas. Para efeitos dos serviços do Estado a serra e arredores tem o nome de Núcleo Orográfico de Soajo na organização dos Serviços Florestais, mas já esta serra é parte integrante do Parque Nacional Peneda-Gerês.» Por tudo isto se vê que Isabel Medeiros foi parcial, tendenciosa e cometeu inexactidões! Claro que o nome geral da serra em Portugal nunca foi Montes de Laboreiro, e se anda grande confusão sobre o nome da serra, tal deve-se sobretudo às aldrabices do suíço Paulo Choffat que com tão intensa «peste Amarela», tornou moribundo o nome «Serra de Soajo», ao ter esta designação viajado para o espaço territorial da «Serra Amarela»!

O actual pároco da Gavieira, Lamas do Mouro e Castro Laboreiro talvez contaminado pela “peste Amarela” diz que é um «absurdo do Jorge Lage» designar a serra, onde também está situado o Santuário de Nossa Senhora das Neves, na aldeia da Peneda, por «SERRA DE SOAJO»! Julga o jovem padre que só há uma “Maria na aldeia”! Desconhece como sítio notável, a falsa “Peneda”, onde se localiza o marco geodésico de 1ª ordem, na montanha do Pedrinho, freguesia de Sistelo! “Peneda” esta, aliás, referida no Anexo ao Decreto nº 187/71 que trata das delimitações do território do Parque Nacional, onde consta o «Alto da Peneda» em vez de «Alto do Pedrinho», localização que nada tem a ver com o “vale da Peneda”, onde se situa o admirável Santuário! Bem me lembro da expressão popular, “ALTO DO PEDRINHO» como sinónima de «MONTANHA DO PEDRINHO»!

 Mas confundiram, intencionalmente, a «MONTANHA DO PEDRINHO», com uma suposta “Montanha da Peneda”, e a «SERRA AMARELA» com a «SERRA DE SOAJO», porque mentindo conseguiriam, supostamente, alcançar o objectivo da destruição de um nome com tantos e tantos séculos!

 Estes elementos talvez façam com que o “sapientíssimo” e reverendo clérigo, com jurisdição eclesiástica, na actualidade, no Santuário da Peneda, deixe de usar o termo «absurdo», em assuntos que desconhecia! De facto, as “Escrituras Orográficas”, multisseculares, não consentem que sustente tamanho disparate sobre o nome científico da serra! Desde os primórdios de Portugal que os «Monteiros de Soajo» eram destacados também pela importância, dos «MONTES DE SOAJO» e dos «CÃES SABUJOS», DA SERRA DE SOAJO!

                       Serra de Soajo, “do lado norte do rio Lima”, em Junho de 2017

                                                                                          Jorge Ferraz Lage