Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA TEVE UM PROFESSOR QUE ENGANOU OS SEUS ALUNOS AO ENSINAR QUE A SERRA AMARELA TAMBÉM SE CHAMAVA SERRA DE SOAJO! SERÁ QUE O PROF. MARCELO FOGE DA VILA DE SOAJO PARA DISFARÇAR A ILUSÃO DO NOME FALSO DO PARQUE NACIONAL?

DSCN8012.JPG

As montanhas que se observam a sul da vila de Soajo situam-se para além do vale do rio Lima, as da serra de Soajo são as que na imagem aparecem  cobertas pelo  pinhal visível, a partir dos cantos inferiores, para o lado norte.

DSCN8419.JPG

Uma imagem que perpetuará uma designação que tem muito séculos de existência.

DSCN7626.JPG

A SERRA DE SOAJO fica localizada ao norte do rio Lima, mas o castelo de Lindoso construído a sul deste curso de água, foi considerado, devido a muitas MENTIRAS E ERROS, como se situando na de SOAJO, em vez de o ser na SERRA AMARELA!

DSCN7589.JPG

Nesta foto já se vê uma parcela da serra de Soajo por onde trepam pela encosta algumas das casas da vila de Soajo.

 

DSCN8346.JPG

Um postal mandado fazer por quem adorava o Vez e que lhe sobrava coração para uma das mais notáveis serras de Portugal, mas que um estrangeiro, depois de se apoderar do poder municipal valdevezense, passou a atirar  com uma arma de papel pretensamente mortífera...

 

 

                   A “PESTE AMARELA” IMPEDIU UM PARQUE NACIONAL SOAJO-GERÊS!

PROFESSOR DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, MARCELO R. DE SOUSA, CONTAMINADO PELA “PESTE AMARELA”!  

Como poderia arrancar o Parque Nacional com o nome «Soajo-Gerês», se o país estava encharcadíssimo com tantas aldrabices de “peste Amarela” na generalidade dos livros escolares de Geografia dos vários graus de ensino, editados desde 1907 até à criação do P.N., em 1971, e ainda se, concomitantemente, as diversas instituições e organismos públicos de gestão e planeamento territorial do país estavam também empestados de “saberes” com os mesmos erros e mentiras?!

Neste ambiente  virulento quem sabotou o nome correcto do Parque Nacional teve muito mais facilidades para impor as suas maquievélicas intenções, colocando o nome  SOAJO, segundo o interesse de alguns valdevezenses...

 Da antiquíssima «Serra de Soajo», cujo espaço geográfico se estende do rio Lima ao Minho  e, do vale do Vez à Galiza, incrivelmente, saiu para o espaço da «serra Amarela», situado a sul do Lima, como que uma “peste carregada de vírus” alastrando-se, desnorteadamente, a partir de 1907, com colossais erros e disparates do geólogo suíço Paul Choffat!

Devido a esta «ignorância pestilenta» é que o nome “serra da Peneda” conseguiu desalojar e substituir o de «Serra de Soajo»! Embora tivessem aparecido asneiras, pela primeira vez, em 1875, numa obra de Geografia de Portugal, da autoria de G. Pery, nunca o falso nome “serra da Peneda” vingaria!

O atrevimento de Pery não tinha recolhido suficientes adesões para causar uma viragem nominal da «Serra de Soajo»! Foi portanto necessário escorraçar o multissecular nome - «Serra de Soajo» -, para as montanhas de outra serra situada a sul do Lima até ao rio Homem, para que se generalizasse no século XX a serra com um nome “Peneda”[Pedrinho]. Porém, o que os portugueses instruídos aprenderam nos liceus e escolas, e os eruditos usavam desde os primórdios de Portugal era «Serra de Soajo»!

 Tão descabida “peste” infectou cerebralmente, depois de 1907, os cidadãos portugueses, muitos tidos como académicos, escritores, políticos e intelectuais!

 O actual Presidente da República, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, frequentou nos primeiros anos de 60, o Liceu Pedro Nunes, em Lisboa, e foi seu professor de Geografia o metodólogo Dr. Evaristo Vieira, co-autor de um «Compêndio de Geografia», que teve várias edições. Este livro, em 1954, conheceu a 6ª edição, destinada ao 2º ciclo dos liceus, e no programa do antigo 5º ano (actual 9º ano) de escolaridade, estudava-se Portugal. Neste, o Dr. Amorim Girão, professor catedrático na Universidade de Coimbra, foi citado por ter escrito, não ser o rio Vouga o limite sul do sistema Galaico-Duriense, como havia considerado Choffat, mas sim o rio Mondego!

Lamentamos que Amorim Girão não tivesse corrigido outras aldrabices de Choffat e até copiasse dele outros disparates para a sua «Geografia Física de Portugal», editada em 1915! De facto ousou seguir Choffat escrevendo nesta que a «serra Amarela também se chama serra de Suajo»!

Se tivesse Girão atacado as asneiras de Choffat, talvez que Evaristo Vieira não ensinasse aos seus alunos os disparates que vem nos seus manuais escolares de Geografia, nomeadamente, o que reproduzo: «a serra Amarela ou Suajo e o monte Oural erguem-se entre o Lima e o Homem»!

Mas outros disparates ensinaram, Amorim Girão na sua «Geografia de Portugal» (1ª edição em 1941, 2ª, em 1949-1951, e a 3ª,  em 1960-1961), e Evaristo Vieira nas obras em que colaborou.

Na verdade, cometeram dois graves erros ao escreverem nos livros atrás citados o falso nome “serra da Peneda”, em vez de «Serra de Soajo»; mas, também, que nesta serra do Minho ao Lima se atinge a altitude máxima da serra aos 1373 m no falso sítio “Peneda”, que é cota obtida no marco geodésico de 1ª ordem na “Peneda” [“Castelo” do Pedrinho]!

Por isto, ambos os autores, nos respectivos livros, consideraram a serra como sendo mais baixa do que o é na realidade!

 Ocultaram portanto o nome «Serra de Soajo» a norte do rio Lima, e considerando e bem a altitude máxima da serra do Marão nos 1415 m, superiorizaram-na relativamente à da «SERRA DE SOAJO» [falsa Peneda], passando-a à categoria de serra subalpina!

Assim, a «SERRA DE SOAJO» foi perdendo a sua identidade e a sua importância relativa, a ponto de ficar ignorada no nome do Parque Nacional!

Foi, e tem sido, a «Serra de Soajo» desprovida dos seus relevantes atributos históricos e menorizada perante as outras serras mais sonantes do país!

De facto, nomeadamente, o notável e multissecular Parque Natural, oficializado como «Montaria Real de Soajo», e a nativa e destacada raça «Cão Sabujo» ligados durante, pelo menos sete séculos, a esta «Real Coutada», devido aos erros de Pery e Choffat pouco têm contribuído para salientar estas notáveis cargas históricas por não enquadradas no âmbito da «Serra de Soajo»!

Existiu também com sede na vila de Soajo uma outra instituição local designada por «Montaria dos Lobos e mais Bichos» dirigida igualmente pelo mesmo monteiro-mor, ambas supervisionadas a nível do poder central pelo Monteiro-Mor do Reino. Este último tipo de montaria existia na generalidade dos concelhos do país, mas não era regimentada nos mesmos termos da «Real Montaria de Soajo».

 A palavra «Montaria» não deriva de caça, mas sim de «monte». Podem vários montes sequencialmente articulados estruturar uma serra, mais ou menos longa e alta. É um exemplo disto a «Serra de Soajo» assim denominada desde que em Portugal se começaram a referir as suas principais serras!

E a «serra de Soajo» localizada do Minho ao Lima apresenta catorze montanhas com altitudes superiores a 1200 m, superando a serra da Estrela, e a do Gerês que em conjunto com o Larouco, têm onze e quinze, respectivamente! A serra do Marão tem apenas seis! Eis uma grande causa para a «Serra de Soajo» sobressair entre as serras de Portugal, ao longo dos séculos!

Razões especiais fizeram com que na de Soajo houvesse protecção e conservação da natureza desde os primeiros séculos de Portugal até ao século XIX, mas as serras da Estrela e na do Gerês só na segunda metade do século XX, viram criados parques da natureza! Porém, os seus nomes continuam firmes, mas o da serra de Soajo caiu em ambiguidades, ainda mais pela tentativa de afogamento de um tal Franciso de Araújo, nascido na capital do país.

 Os factos mostram que os enganados pela toxicidade da “peste Amarela” começada em 1907, foram sucessivamente enganando outros professores e alunos, e passados que são 113 anos, ainda esperamos por eficaz vacina  que desempestem, completamente, as muito graves aldrabices iniciada por Gerardo  Pery, em 1875, e muitó mais  pelo potente virús criado, em 1907, pelo geólogo suiço Paul Choffat, a pedido de valdevezenses, residentes em Lisboa!

Vejam bem, prestem, por favor, a máxima atenção, o aldrabão Sr. CHOFFAT, escreveu esta lapidar BURLA, para MATAR o nome da única serra de Portugal que atacou:  «A Serra Amarela não se deve chamar SERRA DE SOAJO, mas, INCRIVELMENTE, deixou-o escrito na sua publicação, como outro nome a dar ao espaço montanhoso da SERRA AMARELA!

Quer dizer, SOAJO, não deve ser nome sinónimo de AMARELA, mas deixei-o, de tal modo que, muitos e muito homens da Geografia de Portugal, espalharam por milhares de livros que, a «SERRA DE SOAJO OU AMARELA SE SITUAVA DO RIO LIMA AO CÁVADO»! 

A ENORME ALDRABICE SUSCITOU GRANDES CONFUSÕES, O QUE TEM CONTRIBUÍDO PARA DESTRONAR E DESTRUIR UMA IDENTIDADE NASCIDA, PELO MENOS, DESDE O INÍCIO DE PORTUGAL, E, QUE O PODER MUNICIPAL VALDEVEZENSE, PELA VONTADE DO LISBOANO FRANCISTO, TÃO DESONESTAMENTE, QUER VER SEPULTADA, PARA TODO O SEMPRE, AO SEU LADO!...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.