Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

Soajo em Noticiário

A finalidade deste blog é colocar factos relevantes de Soajo para que os Soajeiros e o público interessado possa dispor dos resultados de persistentes pesquisas que se fizeram em bibliotecas e arquivos. Artigos de Jorge Ferraz Lage

SOAJO E GERÊS, RECURSOS AOS TRIBUNAIS E A OUTRAS INSTITUIÇÕES

 

DSCN8419.JPG

 

 

DSCN8216.JPG

 

DSCN8385.JPG

 

DSCN8374.JPG

DSCN8453.JPG

 

 

 

ABADIA DO GERÊS?! - Mas como foi possível a asneira de se dizer que foi o Abade do Gerês que, em 1854, benzeu o escadório de acesso à igreja da Peneda, se a inauguração desta só foi efectuada em 1857 e, o escadório, em 1861?! O grande obreiro do templo foi o ABADE DE SOAJO, Cerqueira Gomes [de Abreu] e Lima, afastado, em Julho de 1852. Deixou quase concluída a PRIMEIRA GRANDE IGREJA que pela sua grandiosidade se harmonizou com o antes edificado. O decisor do afastamento do Abade de Soajo, Dr. Cerqueira Lima, foi o seu conterrâneo arcuense e Governador Civil, Gaspar A. Araújo e Gama! Havia sido o “conquistador” do concelho de Soajo, meses antes! Mas pasme-se, o autor do livro «Lugares Santos de Portugal», editado em 2016, além de outros disparates, tomou o «ABADE DE SOAJO», Dr. Cerqueira e Lima, como «ABADE DO GERÊS»!

 SENHOR DA PAZ, EM ADRÃO - Deixo também aqui revelado que foi este ABADE DE SOAJO, quem teve a iniciativa da construção da igreja, em honra do «Senhor da Paz», em Adrão! Ficou posicionada num local da multissecular – “ROTA DA ROMARIA” – da Vila de Soajo para a Peneda, SEMPRE E SÓ, NA TRAVESSIA DA «SERRA DE SOAJO»! O grande etnógrafo Leite de Vasconcelos não aldrabou o nome da serra como o fazem, no presente, alguns “incultos” e/ou mentirosos! Nas actas da junta da paróquia de Soajo alude-se à iniciativa do templo do “Senhor da Paz”, à vista e na proximidade do local, “Pial das Pombinhas”, onde Sarramalho viu o crime da problemática sentença. Seria construído para evocar, simbolizar e memorar a indulgência do Abade de Soajo ao “usurpador” G. GAMA que, oportunistamente, atacou instituições e identidades do milenar Soajo? Seria que os apelos ao Senhor da Paz, em Adrão, em anos de grandes secas, descendo a imagem sacra à vila de Soajo, com grandes clamores para a vinda de chuvas, resultaria de uma intercessão directa ao Divino Deus em vez do recurso à imagem da Mãe Santíssima da Peneda?

 GERÊS E SOAJO, DIFERENTES! - Nunca o Gerês, ao longo de séculos, foi paróquia, freguesia civil, vila, município, julgado judicial, montaria real [parque natural nacional], sede de “montaria dos lobos e mais bichos”, solar de autóctone raça bovina [cachena], e ainda solar de nativa e famosa raça canina [sabujo da Serra de Soajo]! Soajo foi, nos séculos de 1500 e 1600, a serra mais citada nas descrições das listas das principais serras do reino de Portugal, conforme investigação publicada pela professora Suzanne Daveau, embora ridiculamente lhe atribua, na actualidade, o nome resultante das aldrabices de Gerardo Pery e Paulo Choffat! Tem a Serra de Soajo o maior número de montanhas em Portugal, acima de 1200 metros de altitude, superiorizando, portanto, a do Gerês e até a serra da Estrela!

Mas instalou-se a convicção, por causa do actual Parque Nacional [nascido vergonhosamente com uma denominação aldrabada], que tudo é Gerês. Muito contribui para isto as manipulações do poder municipal de Arcos de Valdevez sobre alguns agentes ao serviço de TVs, e de outros meios de comunicação, de entre as quais até publicações pagas com dinheiro de todo o município!

 RECURSO AOS TRIBUNAIS E OUTRAS INSTITUIÇÕES - Soajo, detentor de um longo e relevante passado, não menos importante que o do Gerês, tem sido especialmente a partir da década de 1991, muito usurpado nas suas mais importantes identidades e no desvio de investimentos públicos municipais, especialmente para a sede concelhia, desproporcionados com a sua relativa importância e grandeza populacional [atendendo ao critério do solo do nascimento] e territorial! Em face da continuidade das políticas municipais tão evidenciadas em obras literárias, desrespeito pelas leis nacionais que defendem identidades ligadas a Soajo, e aos diversos suportes informativos de divulgação de mentiras, verificadas nos últimos meses e semanas, patrocinados pelo município que Soajo ajuda a compor, não nos restam outras vias senão a do recurso a Instituições Científicas Nacionais e aos Tribunais, para reposição das verdades e, para que se cumpram e respeitem leis em vigor…

i

                                  Serra de Soajo, “do lado norte do rio Lima”, Abril de 2017

                                                                   Jorge Ferraz Lage